Baú de lembranças poéticas empoeiradas.

Boa tarde,

Trago boas novas.

Estou me sentindo realizado, valorizado pelas palavras e por quem às lêem.

Tentando tornar comum, o que era somente um sonho de mais um poeta que marca sua presença no tempo por meio dessas mesmas palavras que se repetem sobre o punho de milhões de pessoas pelo mundo a fora.

Diversos projetos estão em andamento e espero dar prosseguimento a todos, para enfim,  sentir-me completo na companhia das minhas vogais e consoantes.

Eu tenho um sonho.

Sonhar para sempre.

Entretanto, sonhar por escrito, pois,  acho centenas de vezes mais bonito.

Hoje trago até vocês uma lembrança poética empoeirada, mas não menos importante no meu acervo pessoal.

Segue:

O Acaso, por acaso.

Conheci o acaso por acaso
acertei após ter errado
Percorri dois caminhos destintos
Com os dois pés no meu passado

Descobri as nuâncias do perigo
sentindo seu gosto nos olhos
Nos olhos de quem respira
O amor e seus pecados

Eu a vi poucas vezes
Veja como funciona a vida
Trançando e vibrando conosco
Relembrando o acaso e o certo

Afirmando não se tem o que fazer
Quando o destino é que faz acontecer

Breno Massena
( Julho – 2008 )

Novos projetos!

Meu twitter de frases: @enfimasos

Colunista do site http://www.tvediversao.com – Toda terça, às 20:00 horas! Com o “Papo Cabeça”

Em breve: Oficina pensamento poético, ministrada por Breno Massena, na Tijuca, Rio de Janeiro.

Obrigado pela atenção

Até mais ver.

” Necessário, somente o necessário e o extraordinário é demais”

Anúncios

“O dia que durou 21 anos” – Quando os militares Brasileiros e os EUA agiram juntos.

Caros leitores!

Tive o imenso prazer de estar na sede da TV Brasil, situada no centro do Rio de janeiro, para acompanhar a pré-estréia de um dos documentários mais esclarecedores e contundentes já feitos em  nosso país. Trata-se de “O dia que durou 21 anos”, dirigido por Camilo Tavares, que será exibido pela TV Brasil, nos dias 4,5,6 de abril, às 22:00 horas.



Com documentos inéditos cedidos pelo governo americano, entrevistas reveladoras e um conteúdo único, o documentário expõe a relação estremecida e temerosa do governo dos Estados Unidos da América, presidido por John Kennedy, com o governo brasileiro, até então presidido por João Goulart, o “Jango”, visto como uma ameaça para a democracia, segundo os EUA.

O medo de uma nova instauração de um governo comunista, assim como em  Cuba e na China, no continente que era diretamente dominado pelo capitalismo americano, se tornava completamente inconcebível sob a ótica da ex-colônia inglesa. Na figura de Lincoln Gordon, embaixador dos EUA no Brasil, o governo americano se fazia presente e realizava uma série de intervenções, diretas e indiretas, se tornando o pano de fundo e maior incentivador do golpe militar de 1 de abril de 1964.

Estratégicamente importante para as pretensões americanas de influência na américa do sul, o Brasil não poderia continuar com as reformas de base, até então planejadas e realizadas por “Jango” e Brizola.  Um desenrolar muito bem estruturado dos fatos, explicando e evidenciando a entrada clandestina da CIA em nosso país, a propina dada pelos Estados Unidos aos parlamentares Brasileiros, a tentativa frustrada de um recuo das medidas consideradas esquerdistas de Jango, com a “aliança para progresso”, proposto pelo governo americano e as consequências do  comício de forte apelo popular do presidente João Goulart, na central do Brasil, entre outros acontecimentos não menos relevantes.

Uma realidade que deve ser difundida amplamente em todas as mídias. Um passado que se torna presente pela riqueza do conteúdo que é mostrado. Por todos estes motivos não percam a estréia de “O dia que durou 21 anos”, dia 4 de abril, às 22:00. É obrigação de todo Brasileiro assistir.

Um abraço!
Atenciosamente,

Breno Massena

Poeta de Alma – Alma de Poeta.

Queria sumir de tudo. Viver do nada. Sonhar no dia. Reletir de Madrugada. Amar aos poucos. Ser eu por inteiro. Entender os loucos.Mudar meu roteiro. Alterando os personagens.Desfazendo o mito. Refazendo minhas viagens.Deixar tudo por escrito. Para um dia você ler. Notar real valor. Acompanhar o meu nascer. Renovar o meu amor. Representar quando preciso.Destrair sua visão. Criar um pouco de juizo. Mudar de opinião. Completando o que faltou. Esvaziando a minha mente. Rever quem me animou. Sempre olhar em frente. Recordar a juventude. Sendo fonte de inspiração. Calcular a amplitude e o alcance do coração. Relembrar todos os versos. Escrever alguns milhões. Conviver com os controversos. Tirando belas lições. Observar o vento. Dormir sem preocupações. Criar o meu rebento. Ter mais alucinações. Todas verbais. Não parar nenhum instante. Juntar minhas vogais. Escolher as consoantes.  Não pense. Apenas leia. No sense. Quem te nomeia?

Poeta de Alma     –     Alma de Poeta

Bombardeio semântico incorruptível, desregrando os meus conceitos. Eu nasci pra isso. Existência resumida em linhas. Objetivando poesia. Pensando em palavras.

Elas me fizeram melhorar. O horizonte se abriu outra vez para mim.

Nele, vou escrever meu nome.

Talvez, algumas outras palavras escreverei.

Não sou de ferro.

Sou de Poesia.

Testemunha

Em um corredor escuro, estreito a minha vida
Fecho os olhos para ver o que não acontecerá
Cambaleante a caminhar, levo a idéia combalida
De que ao abrir os olhos, um feixe de luz surgirá

A luz que incidia, em outros tempos, no horizonte
Se perdeu no infinito, procurando o seu final
Explicação dada, com a confirmação real da fonte
O meu peito é testemunha,sendo figura principal

Breno Massena

“Necessário, somente o necessário e o extraordinário é demais”

Eu voltei.

Divulguem, comentem, participem, leiam e sejam felizes.

Até mais!

Desabafo, na primeira pessoa do singular.

Queria estar neste momento,  coberto pelos clichês que compartilho aqui com vocês leitores. Não estou feliz. Não estou afim. Na verdade, nem estou aqui. Não sei o que acontece. Se soubesse, nem aqui estaria. Estaria em outro plano. Outra esfera. Outro lugar. Não aqui, nem no blog.

A alternância de situações é o que mais me faz confuso. Não digo por alguém específico. Não falo sobre mulheres, família, trabalho … Nada disso. O ponto principal sou eu. Queria entender o que está acontecendo comigo,  para posteriormente conseguir avaliar estes outros níveis da minha vida.  O momento é este. Não posso fugir dele. Algo falta em mim. Procuro em coisas banais e sem sentido. Busco em pequenos momentos de felicidade, a criação de possíveis  grandes momentos. Cheguei a conclusão hoje, que meu ponto de vista crítico, desde que me conheço por gente, alimentou uma visão tendenciosa dos acontecimentos. Os terceiros são os problemas. Eu não. Assumir culpas sempre foi difícil. Tirar o foco da situação era comigo mesmo. Talvez, de tanto fazer isto, as coisas saíram do prumo. Quando parei para me entender, acumulou-se tanta coisa, que eu não dei conta sozinho. Precisei das palavras. Minhas melhores amigas. Elas me entendem. Talvez por me obedecerem. Vai saber…

Procuro entender o mundo, sem nunca conseguir me entender. No final das contas, posso ser um profundo conhecedor dos outros, sabendo lidar em qualquer tipo de situação, decifrando e antecipando, cada movimento com quem lido e ao mesmo tempo, não saber a maneira de agir comigo mesmo. Não consigo decifrar o que seria mais fácil, por me encontrar dono dos meus pensamentos. Parece loucura… e é.

Não se assustem. Eu estou mais que vocês, com certeza.

Segue abaixo, alucinações verbais e outra coisas sem valor.

Alucinações

Posso parecer louco, escrever alucinações verbais
Mas que seja só um pouco, em minhas inpirações textuais
Caso ache o contrário, e me considere alguém normal
Tente escrever sobre a vida, olhando para o seu Final.

Verá o quão difícil é, tentar entender o desconhecido
Se baseando naquilo que jamais poderá um dia tocar
Na Certeza de viver sendo um eterno e feliz, poeta falido
Tento entender de tudo sem saber de nada, a vida vou narrar

Breno Massena

___//___

Só escrevo. O resto eu escrevo e só. Sou resto do que eu escrevo. Escrevo o resto que eu não sou. Sou o que não escrevo. Pois escrevendo sou o resto que sobrou.

Breno Massena

__//__

Apontando as falhas.

Estou cansado de procurar o que nunca tentei.
Me satisfiz ao achar o que nunca achei
Substitui minhas vontades, por algumas ilusões
Abdiquei de grandes certezas, por curtas emoções

Demorei a perceber minhas ações imperceptíveis
Comecei a entender minhas falhas infalíveis
Me cobri de verdades, certezas e momentos menores
Eu sorri, por saudades, avarezas e sentimentos piores
Breno Massena

Obrigado pela leitura.

Atenciosamente.

Breno Massena.

Não teremos a frase do Mogli por hoje.

Até a próxima.

Barreiras, certos e errados.

Como dizem por aí, amar não custa nada. Mesmo se custasse, continuaria valendo o custo.Independente do preço, o valor real está inserido no clichê tão abordado nos filmes, livros, revistas. O amor vende por ser o principal sentimento do cotidiano. Não é o principal pela quantidade de pessoas que o sentem, mas com certeza,  pela mudança que ocorre com quem é passível de amar. Alguns mais facilmente, outros a duras penas… Não importa. O verbo mais conjugado da história da humanidade, é o tema do post de hoje.

 

Barreiras, certos e errados

 

Eu quero falar com o dia
Observar a noite
dormir ao entardecer


Voltar para quando desconhecia
sua presença açoite
nada tinha há perder


Já que perto do teu olhar profundo
me perdoe o mundo
mas preciso me atirar


Na relva que me acalma
presenciado por tua alma
não quero mais levantar


Posso perder os sentidos
não sentir você até a eternidade

Meus sentimentos talvez punidos
restando somente a saudade.

Mas caso permaneça sentindo
o que sinto ao lhe ver sorrindo
a relva é o teu lugar

As leis do teu corpo infringindo
Mesmo que esteja fingindo
teu coração irá me mostrar

Breno Massena.

Amo, logo preciso.

 

“Necessário, somente o necessário e o extraordinário é demais”

Obrigado pela leitura!

Siga @brenomassena

e no Facebook também: Breno Massena.

Um grande abraço.



 

Imoral Particular

Palavras expressam vontades. Vontades nem sempre expressam alguma coisa. Prefiro as palavras. É mais fácil… Começarei pelo mais fácil.

Pois bem, caríssimos leitores que compartilham dos conceitos que tento de forma humilde, passar aqui no nosso Fantástico Mundo. Serei sincero. Tenho odiado pensar demais. Analisar as pessoas não tem me feito bem. Tenho passado horas olhando o próximo e deixando de lado os meus anseios, problemas e indagações. Sendo que muitas vezes minhas indagações,anseios e problemas, estão intimamente ligados a estas pessoas. Não… não de forma invejosa, mas sim na tentativa de querer sempre conhecer cem por cento quem me rodeia,  principalmente, quem gosto. Talvez esteja fazendo o caminho inverso. Não afirmo que estou errado. Porém, poderia me analisar, antes de tentar fazer o mesmo com o próximo. Sou decidido. Quando não gosto, não gosto. Quanto amo, amo demais.  Falo sobre algo entranhado em mim. Entender os pensamentos alheios para depois formatar os meus. Complexo. Controverso. Conturbado. O pior de tudo, é tentar entender pessoas tão complexas quanto eu. Desculpa estar transformando isto em uma espécie de “diário online”… pode ser que vocês me ajudem, quem sabe.  Não estou certo, todavia, também não me vejo errado. Me equilibro em um fino barbante. Meu maior medo é o de cair. Olho muito para baixo e para os lados… pouco pra frente. Preciso de objetivos. Escrever por escrever talvez não seja a solução.  Funcionando apenas como boa terapia. Refleti muito. Idealizei mais ainda. O  plano das idéias me prende. Isso acontece porque me sinto acomodado neste espaço. Me sentindo dominante escrevendo e só mais um, nos demais planos. Está na hora de agir. Lutar pelo o que quero. Por quem quero. Por mim.

“Certo é um fato já consumado que não deixou rastros. Mesmo errado em sua essência, basta você saber conviver com isso. Errado é a idéia de que fatos não deixam rastros. Por menor que seja a essência, ao conviver com o erro, você se torna parte integrante dele.” Breno Massena

Obrigado pela atenção.

“Eu quero ser fotografado, mas pela retina, desses olhos lindos.” Martinho da Vila

“Não espere, sonhe. Não peça, agrade. Não conteste, explique. Não se imponha, convença. Assim você também consegue.” Breno Massena

Breno Massena

O Errante.

Bem vindos e boa leitura!

Caríssimos leitores, de valor inestimável para mim. Hoje venho aqui para postar um poema que fiz há algumas semanas. Nele, não reflito uma situação clara da minha vida, mas sim, mostro para vocês como funcionaram – ou não- certos momentos da vida de todos nós.

Todos somos especiais, mas com certeza, não tão diferentes assim. Espero trazer para vocês, no mínimo, uma agradável leitura!

Segue abaixo:

O Errante.

Não há desculpas meu bem
Se não quiseres, eu irei
Pois na terra onde era rei
Hoje não passo de alguém

Desculpas póstumas, eu sei
Foste uma e parecestes cem
Hoje faz tudo o que lhe convém
Num mundo que eu lhe mostrei

Por mais que faças de outro jeito
Farás de maneira errante
Irá julgar em outro pleito
Lhe faltará a consoante

Só andarás para um lado
talvez na direção contrária
Pois ao largar o homem errado
Optou pela opção primária

Desfez-se da única pessoa
Que lhe deu certo valor
Hoje o meu canto entoa
Nos braços de outro amor.

Breno Massena.

“Necessário, somente o necessário e o extraordinário é demais”

Voltem sempre que quiserem. Recomendar é necessário. Divulgar é essencial.

Beijos e abraços!